Heróis da resistência

“(…)O advogado Rodrigo da Costa Marques, coordenador do núcleo trabalhista da Nelson Wilians, lembra que é previsto por lei que funcionários possam ajuizar ações contra seu empregador até dois anos após o término do contrato. e dois cenários são mais recorrentes: “aquele funcionários que não pensava em ajuizar a ação e que teve seu contrato rompido antes da crise, em virtude do atual momento, vê na Reclamatória Trabalhista uma possibilidade de renda, e os funcionários que foram demitidos por causa da pandemia também passaram a entrar com ações”. O escritório registrou um aumento de 50% da demanda em maio de 2020 em relação ao mesmo mês de 2019.”

 


Posts relecionados

Acompanhe debates jurídicos durante a quarentena

Acompanhe os seminários jurídicos virtuais e gratuitos mais interessantes na rede. Os eventos...

Antecipação de feriados está de acordo com o ordenamento jurídico

Inicialmente busquemos compreender o que se entende por política pública em sua acepção...

Fale conosco

Endereço
Rua Wisard, 23 – Vila Madalena
São Paulo/SP
Contatos

(11) 3093 2021
(11) 974 013 478