Tempestade na economia

Tempestade na economia

O ano começa com cenário econômico degradado, ambiente político incerto e população receosa. e deverá ser encerrar com uma eleição presidencial polarizada. Será muito difícil que essa combinação gere crescimento

Tempestades dificultam a vida. Impedem a visão, reduzem a segurança e tendem a provocar e a amplificar desastres. Esse é um bom paralelo com o que esperar para a economia brasileira neste ano. O cenário será complicado, com eleição, Congresso amarrado, desemprego, inflação, dólar e juros altos. Ao que tudo indica, 2022 vai exigir resiliência. E cabe ao governo elaborar medidas paliativas para destravar a economia. Para os empresários, a recomendação é cautela e planejamento para atravessar a jornada turbulenta que se avizinha. A narrativa do crescimento em V, prometido pelo ministro da Economia Paulo Guedes, ficou para trás em 2021 e o discurso oficial foi retificado: agora, vale a versão de que a equipe econômica nunca fez essa promessa. Mesmo assim, a piora evidente do ambiente econômico e as incertezas fiscais trazidas pelo furo no teto de gastos têm deixado reticentes até os mais otimistas com a economia.

A edição mais recente do Relatório Focus, pesquisa junto aos economistas do sistema financeiro que é divulgada semanalmente pelo Banco Central (BC), estima um crescimento de 0,36% para o Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro neste ano. É um valor baixo para sustentar uma retomada do motor econômico. Na indústria, o temor dos empresários é com a falta de insumos e com o preço do dólar, que pode afetar diretamente a produção. Segundo a Confederação Nacional da Indústria (CNI), se a reposição de insumos for normalizada, o setor conseguirá crescer 0,5%. Porém, no caso da continuidade dos problemas, o tombo pode bater 2,5%.

No comércio, o encarecimento do crédito e a inflação que vem corroendo a renda do brasileiro estão no topo das preocupações. Segundo a economista da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), Izis Ferreira, a queda de 0,1% no varejo em outubro de 2021 e de 1,2% nos serviços indicam o que esperar para 2022. “Esses são indícios de crescimento menor”.

O agronegócio segue como exceção. Com a continuidade do real depreciado frente ao dólar, a única ameaça ao setor é o encarecimento dos custos de produção, em especial os da energia e dos fertilizantes para os produtores que não exportam. Mesmo assim Renato Conchon, o coordenador do Núcleo Econômico da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), estima alta de 2,4% do PIB do setor.

Se os empresários se mostram inseguros, o governo precisa tratar de trazer uma sensação de normalidade para este ano. E essa solução vem de dentro da sala de Guedes. Desde dezembro, a equipe econômica vem montando uma lista para apresentar ao presidente Bolsonaro. Ao todo são dez medidas cuja aprovação é considerada “fácil” pela equipe econômica. Elas serão usadas para mudar, nas palavras de um assessor de Guedes, “o fôlego para o empresariado em 2022”. A ideia do governo é que, juntas, as ações tenham potencial de reduzir em R$ 124 bilhões o custo Brasil.

INFRAESTRUTURA Entre as mais esperadas pelo mercado estão os marcos do setor elétrico (Projeto de Lei 414/2021) e do Reemprendedorismo (PLP 33/20), além das medidas que afetam os setores de infraestrutura, como Projeto das Debêntures de Infraestrutura (PL 2646/20) e o marco legal das PPPs (PL 7063/17). Na avaliação do advogado especializado na área de infraestrutura e sócio do escritório Donelli e Abreu Sodré Advogados (DSA), Luis Fernando Zenid, as medidas que envolvam regulação e melhoria da infraestrutura são as mais esperadas. “A começar pelo setor portuário”, disse. Nesse segmento, o governo pretende levar ao menos quatro terminais para a iniciativa privada, com a primeira concessão já em fevereiro. “Mesmo em se tratando de ano de eleições, espera-se grandes avanços para economia dentro do setor de infraestrutura”, afirmou.

Essa é a aposta de Bolsonaro. Se a economia reagir, ele se mune de argumentos para enfrentar o período eleitoral. E para atender também a fatia do eleitorado mais radical, em especial com questões ambientais, o ministro Paulo Guedes espera aprovar uma nova lei de licenciamento ambiental (PL 3729/04), a Lei de Mineração em terras indígenas (PL 191/20) e a reforma da lei de concessões florestais (PL 5518/20).

Para o ex-ministro da Fazenda Maílson da Nóbrega, esses projetos estão ligados à estratégia de reeleição e podem ser nocivos para a economia. “Guedes assumiu uma agenda política. Se afastou da agenda de reformas estruturantes”, disse. Professora da Universidade de Brasília (UNB) e uma das convidadas por Michel Temer em 2016 para desenhar o projeto do teto de gastos, a economista Carolina Santana critica as medidas mais populistas, em especial as que envolvem o Auxílio Brasil. “A mudança de nome do programa, a ampliação no número de beneficiários, tudo isso têm caráter eleitoreiro e complica as contas públicas por não ter fonte definida de financiamento”, disse.

Sem dar detalhes do que fazer para resolver este problema, o Ministério da Economia informa que a questão fiscal nunca ficou descoberta e segue como prioridade. Com um piloto sem rota e o combustível acabando, a viagem de 2022 não será fácil. Para o investidor, é preciso redobrar as precauções.

https://www.istoedinheiro.com.br/tempestade-na-economia/


Posts relecionados

O acesso à informação nos tempos da pandemia

Trabalhar remotamente traz uma série de desafios que vão além da abrupta mudança...

Crise da covid tira 6,6 milhões de mulheres do emprego

Pesquisa mostra que número de trabalhadoras que deixaram de trabalhar, por conta da...

Fale conosco

Endereço
Rua Wisard, 23 – Vila Madalena
São Paulo/SP
Contatos

(11) 3093 2021
(11) 974 013 478