Não se calem: violência obstétrica é crime

Não se calem: violência obstétrica é crime

14 de janeiro de 2022, 7h14

Por Mayra Maloffre Ribeiro Carrillo e Lucie Antabi

Em razão de uma realidade até então pouco ou nada conhecida, o relato sobre os supostos abusos sofridos durante o parto da influenciadora Shantal Verdelho repercutiu de forma emblemática. Isso porque a atitude da influenciadora em relatar a violência sofrida não é comum, uma vez que as mulheres vítimas desse tipo de violência, na maioria das vezes, se quedam inertes.

A violência obstétrica consiste na prática de procedimentos e condutas que desrespeitam e agridem a mulher durante a gestação, no pré-natal, parto, nascimento ou pós-parto. Pode ser caracterizada de forma psicológica, física, verbal ou de caráter sexual. Não necessariamente é o médico que comete, mas pode ser qualquer pessoa que preste assistência à mulher durante esse período.

A violência física consiste em ações que incidem sobre o corpo da mulher, causando dor ou dano, como por exemplo a prática de um procedimento não autorizado pela gestante. Já a violência de caráter psicológico consiste em toda ação verbal ou comportamental que acarrete sentimentos de inferioridade, vulnerabilidade, abandono, medo etc.

Já a violência obstétrica de caráter sexual se caracteriza como aquela ação imposta à mulher, violando sua intimidade ou pudor, incidindo sobre o senso de integralidade sexual e reprodutiva, mediante o acesso ou não aos órgãos sexuais e a partes íntimas do seu corpo.

Além do Código de Ética Médica, que impõe inúmeros deveres aos profissionais, a fim de zelar pelos direitos do paciente, é possível configurar alguns crimes do Código Penal à violência obstétrica, sendo eles: injúria, constrangimento ilegal, dano psicológico da vítima, divulgação de imagem de nudez e lesão corporal (leve, grave, gravíssimo), entre outros.

No caso da influenciadora, o Ministério Público, a partir das denúncias, abriu investigação contra o médico para apurar sua conduta pelos possíveis crimes de dano psicológico da vítima, divulgação de imagens de nudez e crime de injúria.

À luz das ponderações acima lançadas, é importante incentivar políticas públicas para permitir que as mulheres cada vez mais denunciem os abusos sofridos.

Mayra Maloffre Ribeiro Carrillo é advogada criminalista, especializada em Direito Penal Econômico e Europeu e sócia do escritório Damiani Sociedade de Advogados.

Lucie Antabi é advogada criminalista no Damiani Sociedade de Advogados.

Revista Consultor Jurídico, 14 de janeiro de 2022, 7h14

https://www.conjur.com.br/2022-jan-14/carrillo-antabi-nao-calem-violencia-obstetrica-crime


Posts relecionados

Logo Folha
INW promove livre sobre violência contra a mulher

A presidente do Instituto, Anne Wilians, participa do evento intitulado "Violência contra a...

Logo Estadão
Dispensa de aval de sindicatos traz ‘segurança jurídica’, dizem advogados

Decisão do STF reconheceu validade imediata dos acordos individuais entre patrões e empregados...

Fale conosco

Endereço
Rua Wisard, 23 – Vila Madalena
São Paulo/SP
Contatos

(11) 3093 2021
(11) 974 013 478