logo Jota Info

MP cria sistema integrado de recuperação de ativos, mas especialistas veem lacunas

 

logo Jota Info

 

 

Para tributaristas, texto da MP 1.040/2021 é genérico e deverá ser analisado com especial cautela pelo Congresso

por Fernanda Valente

A medida provisória assinada no final de março com objetivo de melhorar o ambiente de negócios no Brasil trouxe uma novidade: a instituição do Sistema Integrado para Recuperação de Ativos (Sira), que ficará sob “governança” da Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN).

O foco será facilitar a identificação e a localização de bens e devedores, além da constrição e alienação de ativos. Pelo texto da MP 1.040/2021, o sistema deverá reunir dados cadastrais, relacionamentos e bases patrimoniais de pessoas físicas e jurídicas para reduzir os custos de transação de concessão de crédito por meio do aumento da efetividade das ações judiciais que envolvam a recuperação de créditos, sejam públicos ou privados.

Todas essas funções já são possíveis com consultas a bancos de dados separados. Um dos principais é o Sistema de Busca de Ativos do Poder Judiciário (Sisbajud), que interliga Justiça, Banco Central e bancos para pedir informações bancárias e promover a penhora online.

Há também o Renajud, usado para restrições sobre veículos, e o Infojud, que é oferecido unicamente a juízes e servidores autorizados a obter dados da Receita Federal para localizar pessoas e bens das partes envolvidas em processos.

Controvérsias

O sistema unificado voltado a agilizar a cobrança e recuperação de créditos, como defendeu o governo, é considerado positivo por advogados consultados pelo JOTA. No entanto, eles ponderam que o texto da MP é genérico e deverá ser analisado com especial cautela pelo Congresso Nacional. Há também quem questione se haveria urgência na criação do sistema que justifique a instituição por Medida Provisória.

Não está claro, de acordo com a tributarista Juliana Mariano Zocrato, do escritório TPC Advogados, quais serão os bancos de dados que integrarão o sistema. “Entendo que a finalidade do sistema, por estar acoplado em uma MP sobre ambiente de negócios, é passar a segurança para os bancos privados na recuperação desses ativos. No entanto, não foi especificado quais bancos serão acessados”, afirma.

A advogada também lembra que as dívidas tributárias a serem cobradas pela PGFN chegam a R$ 2,2 trilhões e envolvem mais de 5 milhões de devedores. Para ela, como a recuperação de créditos hoje é demorada, espera-se que o sistema integrado abra possibilidade de acesso simultâneo de informações e não mais de dados separados.

De acordo com o advogado Elvis Rosseti, do escritório Diamantino Advogados Associados, os sistemas já existentes oneram o contribuinte, já que cada pesquisa gera uma cobrança de taxa separada. A expectativa é que a integração “facilite a vida do advogado e das empresas, que antes esperavam meses pelas informações para subsidiar um processo, dando celeridade no recebimento desse crédito”.

Além disso, o especialista em Direito Empresarial destaca que, pela integração, o Sira poderá ser muito eficaz para o Ministério Público nas ações de improbidade que pedem a indisponibilidade de bens para tentar ressarcir prejuízos.

Informações sensíveis

Outro ponto de incerteza trata do compartilhamento de informações e o sigilo fiscal. Rafaela Montenegro, tributarista do escritório Bichara Advogados, afirma que as informações dos sistemas já existentes são sensíveis e cobertas por diversos níveis de sigilo para resguardar as partes. Para ela, a efetiva participação da PGFN pode garantir maior segurança quanto à privacidade, mas o funcionamento disso não está expressamente previsto na MP.

O artigo 15 da MP dispõe entre os princípios do Sira, o “respeito à privacidade, à inviolabilidade da intimidade, da honra e da imagem das pessoas e às instituições, na forma prevista em lei”.

“A transparência de quais dados ficarão disponíveis causa preocupação. A MP não diz expressamente quais são os cuidados com o sigilo fiscal, nem aponta  para a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD)”, ressalta Rafaela.

Como a MP passará por análise da Câmara e Senado antes de ser convertida definitivamente em lei ordinária, a advogada espera que esse trecho seja examinado com atenção “para garantir a segurança dos compartilhamentos, afinal, esse tipo de mudança deve vir com debate da sociedade”.

Em nota, a PGFN defendeu que o “compartilhamento das informações, que obedecerá às regras que tratam do sigilo, será feito mediante modelos de interoperabilidade, de forma a garantir a governança sobre o que é encaminhado”.

Pela frente

As tributaristas Carla Menezes Novo e Maria Raphaela Matthiesen, do escritório Mannrich e Vasconcelos Advogados, explicam que a operabilidade e o uso da informação para o mapeamento de patrimônio deverão ser definidos mais para frente – provavelmente por decreto.

Isso porque o artigo 16 da MP prevê que as regras e diretrizes para o compartilhamento de dados e informações serão dispostas por ato do Presidente da República, bem como a relação de nomes das bases mínimas do sistema.

Também dependerá de determinação do Presidente da República:

  • A periodicidade com que a Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional apresentará ao Ministério da Economia e ao Conselho Nacional de Justiça relatório sobre as bases geridas e integradas;
  • O procedimento administrativo para o exercício, na forma prevista em lei, do poder de requisição das informações contidas em bancos de dados geridos por órgãos e entidades, públicos e privados, e o prazo para atendimento da requisição, sem prejuízo da celebração de acordos de cooperação, convênios e ajustes de qualquer natureza, quando necessário;
  • A forma de sustentação econômico-financeira do Sira;
País bem visto

Como mostrou reportagem do JOTA, a MP envolve outros seis eixos: facilitação para abertura de empresas, proteção de acionistas minoritários, facilitação de comércio exterior, profissão de tradutor e intérprete público, facilitação obtenção de eletricidade por empresas de médio porte e prescrição intercorrente na execução de contratos.

Segundo o governo, com as novas regras, o Brasil subiria 18 ou 20 posições no Doing Business, parâmetro internacional para investimento estrangeiro. Hoje, o Brasil ocupa a posição 124.

Fonte: Jota.info


Posts relecionados

Logo Estadão
Bolsonaro cometeu crime na reunião ministerial de 22 de abril? Juristas comentam

"O inquérito em andamento no STF terá que apurar os fatos que possam...

Logo Estadão
Postagem falsa diz que Constituição permite AI-5

“O AI-5 afronta diretamente a Constituição Brasileira”, explica a advogada constitucionalista e mestre...

Fale conosco

Endereço
Rua Wisard, 23 – Vila Madalena
São Paulo/SP
Contatos

(11) 3093 2021
(11) 974 013 478