Governo destina recursos da Lava-Jato ao Ministério da Defesa na Amazônia.

NACIONAL

Governo destina recursos da Lava-Jato ao Ministério da Defesa na Amazônia.

O governo federal destinou R$ 530 milhões da Operação Lava-Jato para o Ministério da Defesa, conforme relatório elaborado pelo Instituto de Estudos Socioeconômicos (Inesc), que compilou dados do sistema do Senado “Siga Brasil”, que acompanha dados do orçamento federal. O valor corresponde a 84% dos R$ 630 milhões que foram destinados ao governo federal no ano passado, que estão sendo executados ainda neste ano. O recurso é oriundo do acordo anticorrupção da Lava-Jato destinados à Amazônia.

O acordo em questão foi homologado em setembro do ano passado, quando o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu que R$ 1,06 bilhão pagos pela Petrobrás (de um total de R$ 2,6 bilhões) deveria ser destinado à prevenção, fiscalização e ao combate do desmatamento, incêndios florestais e ilícitos ambientais na Amazônia Legal. Os R$ 630 milhões do governo federal foram distribuídos entre a Defesa, o Ministério do Meio Ambiente (MMA) e o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), sendo que a maior fatia ficou com a Defesa, divididos entre Aeronáutica, Exército e Marinha.

A maior parte do valor foi registrada para ação de proteção, fiscalização e combate a ilícitos na Amazônia Legal (R$ 494 milhões), enquanto R$ 36 milhões ficaram com Operações de Garantia da Lei e da Ordem (GLO). O decreto de GLO, que encerraria no dia 9 de julho, foi estendido até 6 de novembro deste ano.

O restante do valor, R$ 100 milhões, foi distribuído ao Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis – Ibama (R$ 50 milhões), Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária – Incra (R$ 35 milhões) e Mapa (R$ 15 milhões). Observando o montante total, o Ibama ficou com apenas 8%. Como os valores foram depositados em setembro do ano passado no Tesouro Nacional, houve pouco tempo para a execução no mesmo ano. Então, ainda estão sendo executados neste ano os valores remanescentes do ano anterior.

O relatório fala em militarização da política socioambiental na Amazônia brasileira e cita trecho da Política Nacional de Defesa (PND), Estratégia Nacional de Defesa (END), documento encaminhado ao Congresso no último dia 22.

“A exploração e o desenvolvimento socioeconômico da Amazônia, de forma sustentável, continuarão a ser vitais para a integração nacional, exigindo o incremento das capacidades de prover segurança e soberania, intensificando a presença militar e a efetiva ação do Estado, evitando que entidades exógenas influenciem as comunidades locais”, diz trecho.

Assessora política do Inesc, Alessandra Cardoso afirma que a aplicação foi feita na Defesa em detrimento dos órgãos ambientais. “Foi um equívoco estratégico aplicar quase a totalidade desse recurso para fortalecer as estratégias do Ministério da Defesa enquanto toda a estratégia de combate ao desmatamento que vinha sendo executada desde 2012, e que respondia de fato pelo enfrentamento ao problema, tanto que as taxas de desmatamento estavam caindo, se mostraram ações bastante efetivas, são ações de comando e controle executadas principalmente pelo Ibama”, disse. Ela foi uma das pessoas a elaborar o relatório.

No mês passado, o governo federal enviou ao Congresso Nacional um projeto de lei (PLN) para abrir crédito suplementar no valor de R$ 615,9 milhões destinado à Defesa, Mapa e Ministério Justiça e Segurança Pública (MJSP). Do total, R$ 410 milhões são para ações das Forças Armadas na Amazônia Legal, por meio da Operação Verde Brasil 2. O PLN foi protocolado na mesa diretora do Senado dia 10/08, e deve ser analisado nesta semana.

O relatório elaborado pelo Inesc pontua que as operações de GLO na Amazônia, “que deveriam ser episódicas e ‘depois de esgotados instrumentos’ perduram, até agora, por oito meses, operando uma lógica de subordinação dos órgãos ambientais à estratégia militarizada de combate ao desmatamento”.

“Chama atenção o fato de que a escolha do governo tenha sido colocar 84% do recurso da Lava-Jato dentro do Ministério da Defesa. Ou seja, em detrimento do seu uso para reforçar, ainda que temporariamente, a dotação orçamentária do ministério do Meio Ambiente, do Ibama, do ICMBio e também da Funai”, ressalta relatório.


Texto transcrito pelo SN do https://www.correiobraziliense.com.br/politica

Imagem de capa reprodução e ilustrativa da matéria

https://saladenoticiasnew.com.br/governo-destina-recursos-da-lava-jato-ao-ministerio-da-defesa-na-amazonia/


Posts relecionados

Especialista falam da decisão que veta Ramagem

Os atos administrativos devem mirar o interesse público e, em caso de desvio,...

Projeto que permite venda de terras para estrangeiros avança na Câmara, mas sob ameaça de veto

Ellen Carolina da Silva aponta algumas travas que o projeto traz, entre elas...

Fale conosco

Endereço
Rua Wisard, 23 – Vila Madalena
São Paulo/SP
Contatos

(11) 3093 2021
(11) 974 013 478