Abuso de autoridade de juiz na decisão contra Serra

GUERRA SEM QUARTEL

Advogados veem abuso de autoridade de juiz na decisão contra Serra

29 de julho de 2020, 21h43

Assim que se soube que o presidente do Supremo Tribunal Federal, Dias Toffoli, havia determinado a suspensão dos processos contra o senador José Serra, o juiz federal de São Paulo, Diego Paes Moreira, que atua na força-tarefa da “lava jato”, aceitou denúncia contra o senador. A decisão do STF foi liberada às 16h56. O juiz partiu para o contra-ataque às 18h04.

Juristas e advogados consultados pela ConJur consideram este ato um abuso de autoridade. Em vigor desde o 3 de janeiro deste ano, a lei contra o abuso de autoridade (nº 13.869/19) expandiu o que a legislação anterior entendia como condutas excessivas por parte de servidores públicos e autoridades.

“Simples. Na República, o STF dá a última palavra. Se o processo foi suspenso, suspenso está. Se de fato o juiz, quando recebeu a denúncia, sabia que o STF havia suspendido o feito, e ainda assim recebeu a denúncia, então o ato do juiz perigosamente arranha o abuso de autoridade. Basta ler a nova lei“, disse o jurista Lenio Streck, colunista da ConJur.

“O recebimento de denúncia pelo magistrado de primeira instância, mesmo após o presidente do STF anular as medidas cautelares determinadas, sob o fundamento de que juiz usurpou a competência do próprio Supremo, é mais um episódio que vemos com frequência de falta de observância às determinações da Corte Maior”, disse o criminalista Luís Henrique Machado.

Já para Almino Afonso Fernandes, constitucionalista e ex-conselheiro nacional do Ministério Público, disse entender “que a suspensão levada a efeito na liminar concedida pelo ministro Dias Toffoli dizia respeito tão somente à busca e apreensão deferida pelo juiz de primeiro grau, em virtude da cautela implementada ter sido realizada nas dependências e arquivos resguardados pela imunidade parlamentar em que o acusado, na condição de senador, ostenta”.

“Mas, no que diz respeito ao recebimento da denúncia formulado pelo Ministério Pública e recebida pelo juiz, relacionada a fatos pretéritos ao atual mandato do senador, a competência é do juiz de primeira instância, em consonância com o que tem sido decidido pelo STF.”

Daniel Gerber, criminalista com foco em compliance político e empresarial, disse que “a politização do Judiciário chegou ao ponto alto de termos uma Suprema Corte que não se vê respeitada, sequer, pelos juízes de primeira instância”.

“Há muito — consequência clara do pensamento de justiça social adotado com a operação “lava jato” — que o Direito legislado se viu substituído por decisões casuísticas e ideológicas, motivo pelo qual essa espécie de enfrentamento e desrespeito interno aos julgados que deveriam orientar tribunais e varas não causa surpresa. A porta está aberta, e se posturas severas não forem adotadas no resgate de uma autoridade que se perde diariamente, fácil percebermos que o problema se repetirá, tornando-se muito maior do que o enfrentado em um específico caso.”

Para o criminalista Daniel Bialski, “se há uma decisão do Supremo, determinando a suspensão do andamento do procedimento, o juiz não podia decidir”. “Sua decisão desrespeita aquela emanada pelo Supremo, e é nula. Se há discussão sobre a competência, não poderia ter sido proferida qualquer decisão de admissibilidade da acusação. A Suprema Corte é soberana e esta decisão monocrática é passível de reclamação.”

Segundo Cecilia Mello, especialista em direito administrativo e penal que atuou por 14 anos como juíza federal no TRF-3, a decisão de recebimento da denúncia reveste-se de flagrante nulidade. “Haja vista a existência de prévia decisão do ministro Toffoli no sentido de suspender o curso do processo na origem.”

“Embora a decisão de recebimento da denúncia possa ter sido proferida equivocadamente, considerado o pequeno lapso temporal verificado entre as duas decisões, fato é que já poderia ter sido revista pelo próprio juiz de primeiro grau. Infelizmente, situações como essa não representam novidade ou são isoladas e acabam colocando em xeque a necessária imparcialidade do juiz.”

Revista Consultor Jurídico, 29 de julho de 2020, 21h43

https://www.conjur.com.br/2020-jul-29/advogados-veem-abuso-autoridade-juiz-serra

 


Posts relecionados

Acelerando

Acelerando Ayrton Senna recebe homenagem especial hoje, no Parque ecológico do Tietê: uma...

Medida Provisória 966 afronta Constituição

Na MP agentes públicos passam a ser isentos de responsabilidade por erros que...

Fale conosco

Endereço
Rua Wisard, 23 – Vila Madalena
São Paulo/SP
Contatos

(11) 3093 2021
(11) 974 013 478